segunda-feira, março 30, 2009

Para combater um suposto sogro furioso, um tio cara de pau.

Acredito que agora eu já posso contar essa história. O crime já prescreveu. Mas, se eu for preso, um de vocês vai me visitar levando um bolo com um notebook escondido no recheio. Aí prometo que vou ter mais tempo para atualizar o blog. Será que em cela especial tem wireless? Ainda bem que eu terminei a faculdade e tenho meus privilégios.

Bom, nos gloriosos idos dos meus 20 anos, meus amigos me presentearam com o agradável apelido de “Pedrófilo”. Tudo porque eu arrumava umas paqueras mais novas que eu. Coisa pouca, só uns 6 anos de diferença. Mas tenho uma teoria pra isso ter acontecido com certa freqüência: compatibilidade de maturidade. Eu falava tanta bobagem, mas tanta bobagem, que só agradava mesmo as bem novinhas - e olhe lá. Enfim, foi um desses romances infanto-juvenis que acabou rendendo este post e quase um mandado de prisão.

Na época em que eu tocava em banda, sempre era contemplado com belíssimas visões de cima do palco. Mariana era uma delas. Com certa freqüência, ela aparecia em nossos shows e sua presença fazia a alegria de todos os músicos. Muitos acordes errados e solos fora de hora, algo não muito raro no Queima Samba, devem ter tido a sua contribuição. Seus olhos verdes e cabelos loiros logo lhe renderam um apelido entre nós, tarados de plantão: Sheila Melo.

E o pior – ou melhor – é que ela realmente parecia com a espetaculosa dançarina do Tchan. Com uma diferença: tinha apenas 15 anos, desabrochava em sua adolescência. Mas Pedroca, cheio de razão e com parcos 18 pra 19 aninhos, não podia deixar a oportunidade passar. A banda não duraria pra sempre e, junto com ela, findaria também a aura que envolve uma estrela do pagode do meu naipe. Além disso, quando ela ficasse um pouco mais velha e perdesse o frescor da inocência de uma debutante, seria difícil ela cair no meu papo fraco. Portanto, resolvi comprar briga com o resto da banda e investir na mocinha.

Apesar da pouca idade, Mariana era uma excelente companhia. Comunicativa, simpática, riso fácil e astral contagiante eram algumas das suas qualidades que me atraiam. Claro, fora os olhos verdes e as longas madeixas douradas. Afinal, não sou decorador pra prestar atenção só na beleza interior.

Um belo dia, recebo uma ligação no meio de uma tarde de domingo. Era Mariana:

- Oi Peu!

- Oi Mari! Tudo bem?

- Tudo tranqüilo. Tá fazendo o que? – perguntou minha paquera.

- Nada, tô de bobeira... – respondi deixando espaço para uma possível proposta.

- Eu tô aqui na frente do ensaio da Timbalada, mas não tô a fim de entrar. Quer fazer alguma coisa?

Bingo.

- Quero sim. Vamos ver um filme aqui em casa? – perguntei na esperança de trocar a bizarra companhia de Faustão e Gugu pela doce presença de Maricota.

- Legal. Você me pega aqui?

- Pego sim. Tô saindo de casa. Beijo!

Tomei um banho para vencer a inércia que me mantinha prostrado na cama e fui ao encontro de Mari.

Eu estava sozinho em casa. Mas, antes que você me julgue um criminoso, adianto que o convite incluía apenas um filminho, pipoca de microondas com coca-cola e uma caixa de Bis. Nada mais.

Chegamos em casa, nos acomodamos confortavelmente e começamos a assistir o filme. De repente, meu telefone tocou. Apesar de ser o início da moderníssima era do celular com identificador de chamada, não reconheci o número. Mesmo assim, achei por bem atender:

- Alô?

- Chame Mariana. – respondeu do outro lado uma seca e taxativa voz masculina.

Após uma pequena pausa, como quem recebe a notícia de uma tragédia, tirei o telefone do ouvido, tampei com a mão o microfone e falei:

- Mari, é pra você.

- Pra mim?! – perguntou a garota, com perplexidade e terror em seus lindos olhos verdes.

- Acho que é seu pai. – respondi tentando esconder meu nervosismo.

- Meu pai?! – perguntou de novo Mari, agora completamente apavorada.

- Acho que é, Mari. Atende logo! – respondi enquanto estendia o braço com o telefone em sua direção.

- Não! Fala você! – disse a garota, num surto de desespero que incluía um abraço forte no travesseiro e um empurrão em minha mão segurando o telefone.

- Eu?! Tá doida? Vou falar o que com seu pai? Atende logo esse telefone, Mariana!

- Não, não... – respondeu ela num início de choro.

- Mariana! Vai ser pior. Fala logo! – disse eu, enfático, enquanto dirigia o telefone até seu ouvido.

- Alô... pai?

Enquanto ouvia o velho cuspindo fogo do outro lado da linha, Mariana apertava os olhos e o travesseiro e choramingava ainda mais.

- É que... não quis... na porta da Timbalada... a gente só está assistindo filme, pai... Pedro é um amigo meu... – a pobre coitada tentava se explicar, mas o pai, possesso, parecia interrompê-la segundo após segundo.

Mari desligou o telefone e pôs-se a chorar copiosamente. Tentei acalmá-la e logo depois procurei saber o que havia acontecido. Soluçando, ela contou que o pai ligou para uma amiga que estaria com ela e a garota disse que Mariana não tinha entrado na festa. O pai então apertou a garota até descobrir com quem ela estava. Sabendo meu nome, foi só procurar na agenda de minha paquera o meu telefone. E a confusão estava formada.

- Ele falou mais o que, Mari? – perguntei querendo saber o que iria sobrar pra mim.

- Ele disse que era pra eu descer agora que ele está vindo me buscar.

- Então é melhor você descer, Mari. – disse eu, um pouco mais aliviado.

- Não! Você vai descer comigo! – delirou Mariana.

- Pirou, menina?

- Vai descer sim! Eu não vou descer só! – disse ela e então caiu novamente no choro.

Enquanto Mari se desfazia em lágrimas e soluços, fiquei me perguntando por que eu tinha me metido naquela situação. Por quê? Agora eu estava ali tendo que administrar uma garota chorando sem parar e um pai furioso indo ao meu encontro. Eu precisava pensar rápido, não dava pra descer simplesmente e dizer pro coroa “oi, prazer, toma aí sua filha de volta. Ela está intacta, viu? Tchau”.

Pensa, Pedro, pensa que o homem está chegando. Já sei! Quem é o maior expert em apagar os incêndios que costumam aparecer em meus caminhos? Ele mesmo: Tio Fulano. Corri para o telefone e liguei para sua casa:

- Meu tio, me ajude.

- O que foi, “meu tio”? – respondeu ele com voz típica dos sonos de sofás de domingo.

- Eu trouxe uma paquera aqui pra casa, o pai dela descobriu e está vindo pra cá. Só que ela está insistindo pra eu descer e falar com o sujeito... por favor, desça comigo meu tio. – disse eu com súplica na voz.

Tio Fulano morava em meu prédio. Era meu vizinho de porta. Uma dessas sortes que a gente conta nos dedos as vezes que acontecem ao longo da vida. Com seu espírito de general do exército da salvação e sua objetividade de sempre, Tio Fulano me tranqüilizou:

- Te encontro lá embaixo em 5 minutos.

Peguei mais lenços de papel para Mari. A coitada não parava de chorar. Comecei a achar que o pai dela era um sujeito violento. Só podia ser! Para ela querer que eu descesse junto, devia ser para tentar evitar uma surra. Ou pra dividi-la comigo.

Chegamos no playground e Tio Fulano já estava lá. Com sua típica camiseta branca de ficar em casa, bermuda e chinelos. Sereno, ele parecia já ter o problema resolvido na cabeça. Eu e Mari nos aproximamos dele com cara de velório e eu a apresentei. Ele olhou pra mim reprovativo. Após algum tempo, ainda que de forma tímida, quebrei o silêncio fúnebre da cena:

- Meu tio, você vai dizer o que pro pai dela?

Com os olhos cerrados e a clássica palma da mão voltada para mim, ele me respondeu sem dizer nada. Era mais um “deixe comigo”. Após uma espera angustiante, chegou diante de nós o tão aguardado carro. Imediatamente, o semblante introspectivo de Tio Fulano deu lugar a um largo sorriso e ele partiu a passos rápidos em direção ao pai de Mari que deixava o automóvel com cara de poucos amigos. Com os braços abertos, gesto típico do bom anfitrião, meu tio desandou a falar com seu tom de voz alto:

- Olá! Tudo bem? Meu nome é Fulano, sou tio de Pedro. Prazer!

Mari tinha razão de estar tão preocupada: seu pai simplesmente ignorava as boas-vindas de Tio Fulano e, parado diante da porta, fazia um frio e aterrorizante sinal com o dedo para que ela entrasse no carro. Tio Fulano perseverava:

- Fique tranqüilo, estávamos eu, Pedro e Mariana lá na sala assistindo filme. “Sociedade dos Poetas Mortos”, um belo filme por sinal.

Ao passar pelo pai, deu pra ver minha paquerinha engolindo em seco. Silenciosamente, ela entrou no carro. E meu tio deu o golpe de misericórdia:

- Sua filha é um doce. – e, com a cara mais lavada do mundo, ainda completou – Traga ela aqui mais vezes.

O pai de Mariana estava realmente puto da vida. Mas, àquela altura, o alvo de tanta chateação era somente sua filha. Afinal, fora ela que havia lhe dito que iria a uma festa e foi parar em outro lugar. Graças aos céus, ao final da ladainha de Tio Fulano, nosso visitante parecia estar convencido de toda a história. Cumprimentou respeitosamente o grande ator do dia, me ignorou e levou Maricota embora.

Subimos juntos o elevador. Já aliviado de toda aquela tensão, agradeci ao meu salvador:

- Meu tio, essa foi por pouco. Muito obrigado.

Objetivo, talvez louco para entrar em casa a tempo de assistir as Vídeo-Cassetadas, ele respondeu:

- Você me deve mais uma, “meu tio”.

Tio Fulano tinha razão. Minhas dívidas com ele estavam acumulando. Se eu começasse a pagar tudo agora, só terminaria na próxima encarnação. E, caso não fosse ele me ajudando mais uma vez, por conta da ira deste pai, eu poderia ter conhecido precocemente essa próxima encarnação. Quem não se safou foi Mari. Sua sentença: um mês de castigo sem sair de casa.

Hoje, mais de 10 anos depois, apesar de não morarmos mais na mesma cidade, eu e Maricota somos grandes amigos. Vez ou outra lembramos desse episódio e nos divertimos bastante.

Ah, falando em lembrar, lembram que em um desses posts eu disse que jamais deixarei minha filha ir num ensaio do Harém? Pois bem, fica registrado que o mesmo vale para um ensaio da Timbalada.

37 comentários:

Anónimo disse...

Simmmm, depois desse primeiro encontro "movimentado", não teve outros? Rolou ou não beijo???
Peu, essa sua cara de bom menino, só engana quem não te conheçe (rs). Bjs

Gabriel disse...

+ esse n foi o primeiro encontro nem o ultimo n... afinal peu... eu queria saber uma coisa... É de silicone ou é de verdade?

Paula disse...

Pedro, só você mesmo e esse seu Tio. Sua filha, humm, vai penar com você. E você, de consumidor passará a ser fornecedor...

beijos

Rueda disse...

Foi pega a sheila melo, quase tomo um sapeca do cumpade washington! ahuahhua

abraço!

Valéria disse...

Adorei a história e já estava com saudades dessas suas aventuras. Vê se não deixa a gente sentir tanta falta assim. Coitada da sua filha...vai penar com vc. Beijos.

Pati Silveira disse...

Pedro,

Acompanho seus "causos" já faz um tempo, e hoje finalmente estou postando pela primeira vez.
Adoro a maneira como escreve:Simples, suave e direta. Como já te disse, seu toque para o humor é PERFEITO!
Adorei a estória da Sheila Melo "genérica", e de alto nível.rs
Seu tio deve ser uma figura querida, seu verdadeiro anjo protetor. Será que ainda virão muitos sufocos para ele te salvar? ;)
Sua filhinha vai ser a princesinha do papai, tem que proteger mesmo!
ADOREI a escrita de hoje, valeu ficar acordada até tarde...
Beijo enorme,
Pati

Personagem Principal disse...

Êta homem frouxo! Lamento informar, mas desse jeito vc nunca vai se tornar um verdadeiro GV, rs.
Bjs.

Josi disse...

Poxa, queria te conhecer de longa data só pra ter historinha minha aqui tb!!!! rssss

Silvinha disse...

Peu, vc vai ter tres filhas super festeiras pra arrepiar esses seus cachinhos rsrs
BJao

Pedro disse...

Anônimo: na verdade, esse não foi o primeiro encontro. E também não foi o último. Rolou beijo sim. Peraí, sou um sujeito direito mas não sou santo. Mas minha cara de bom moço só reflete a minha alma. (acabou de acender uma auréola sobre minha cabeça).

Beijo.

-------

Gabriel: silicone também é de verdade. Mas isso é coisa que se pergunte aqui?

Abraço.

-------

Paula: não me deseje mal. Vou ter uma filha sim, mas terei primeiro um filho, depois virá ela e por último outro menino. Assim, eles poderão patrulhar um largo espectro de abutres de muitas idades que possam circundá-la. Já pensei em tudo.

Beijo!

-------

Rueda: não dizei o nome de “Cumpadre” Washington em vão.

Abraço!

-------

Val: vou tentar ser mais rápido. É que tenho dado prioridade a umas campanhas de uma querida faculdade que a gente atende, mas, se você preferir, posso atrasar os trabalhos e me dedicar mais ao blog. Rs.

Beijo!

-------

Pati: obrigado pelos elogios. Fico feliz que tenha gostado do blog e torço para você participar mais vezes. Olha, espero que Tio Fulano não precise me salvar outras vezes. A dívida é grande.
Torço para que saia tudo bem na sua mudança de volta pra casa.

Beijo!

-------

Vivz: é com enorme prazer que lhe comunico que já faço parte da GV. Afinal, fui para todos os ensaios do Harém no verão, tenho ouvido Jack Johnson, tenho freqüentado o Barthô domingo à noite e até roupa da Osklen e Mandi eu já andei comprando. Portanto, já sou integrante da vossa equipe! Rs.

Beijo!

-------

Josi: nunca é tarde! Mais um carnaval e mais um encontro no camarote podem render um post.

Beijo!

-------

Sil: também desejo tudo de bom pra você sempre, Silvete. Rs.

Beijo!

Re minami disse...

Maricota eh mais bonita que a verdadeira Sheila melo!!!! Diga diga diga!!!! Rs... Beijos Peeeu!

Anónimo disse...

Sempre tio fulano....
"deixa comigo meu tio!"
bjs
Noya

Anónimo disse...

qual seu email?

Anónimo disse...

Sei lá, acho que me encantei!!!

Anónimo disse...

Gente que loucura!!!! eu estava pesquisando no Blogger sobre a invasão da Carbrás aqui da minha cidade e me deparei com a foto deste cidadão, muito formoso, querendo levá-lo para a minha humilde residência, e fiquei ali plantada feito um abacaxi amarelo,pensando: fala sério!! já passei dessa fase, mas é bom sentir isso, mas só posso expressar e sentir por vias abstratas pois a distância e a realidade me permitem somente sonhar!!! mas é muito bom alimentar o coração com desejos do novo e sonhos, o lado infantil que não se perde!!!! bjs!!!!!

Branca disse...

Excelente seu blog...parabéns!

Pedro disse...

Rê: você não esquece a música, né? Concordo que Maricota é mais bonita que Sheila Melo. Assim como eu presumo que eu seja mais bonito que Alexandre Pires.

Beijo, Rê sumida!

------

Noya: onde tem confusão e resgate, sempre tem Tio Fulano. Bem que ele poderia ser paramédico do Samu.

Beijo, Noya!

------

Anônimo: que figura! Olha, estou na prateleira, pode levar pra casa.

Beijo, abacaxi amarelo plantado!

------

Branca: obrigado! Vou visitar o seu agora. Apareça.

Beijo!

Gabriel disse...

ARRASANDO CORAÇÕES!!!

Personagem Principal disse...

Que história é essa de "vossa galera"? Se saia! Essa galera é a de Déa. A minha era a dos nerds do fundão, rs.

Mas, desse jeito, vc chega lá. Falta um polimento ainda, pq GV que é GV não fica na prateleira, pedindo pra ser levado pra casa, não. GV tira onda! Rs... Mas talento pra fazer parte do time vc tem. Bjs.

Anónimo disse...

Oi!! Aqui e o abacaxi amarelo, vc me inspirou, é muito bom rir lendo suas histórias, vc é responsável por algumas gargalhadas aqui na Lg Manaus, acredite!!! Aquela da mala de coco!!! o que é aquilo? (gente, eu não aceituo coco porque é um paroxítona terminado em o, e ainda estou na gramática antiga, fora que sou engenheira e posso errar - desculpa ridícula, enfim, não loira e nem tenho olhos azuis ou verdes como os da Mariana, mas não dá sopa na prateleira não que pego um jatinho aí pra Bahia e te sequestro!!! QUE ABSURDO!!! Desculpa, é que hj amanheci eufórica, são os hormônios!!!

Beijos!! Ah! Meu cunhado é publicitário como vc, e minha casa virou uma empresa e estúdio, é um trabalho interessante!!! parabéns!!!

Anónimo disse...

Muito bom e engraçado seu texto...
Que tio bacana, tirou vc do sufoco!Bom feriado

Pedro disse...

Gabriel: tá monitando, hein, filho?

-----

Vivz: vou contar tudo pra Andréa. Afinal, GVs não conseguem guardar segredo e adoram uma fofoca.
Você tem razão, me passei. Pedir pra ser levado pra casa não é lá coisa de GV. Mas, pensando bem, é engraçado como você conhece tanto sobre essa tribo, né?

Beijo Vivz!

-----

Prezada Abacaxi Amarelo da LG: ao contrário de seu chefe, fico feliz de saber que o clima por aí anda descontraído. Concordo com você, também estou resistente às mudanças na gramática. Sou ortodoxo. Olha, não precisa pegar jatinho: é mais econômico Sedex a cobrar. Posso embarcar? (xi, Vivz... acho que não levo jeito para GV mesmo).

Beijo, moça dos hormônios!

-----

Anônimo: obrigado! Ele é bacana sim. E especialista em me tirar de enrascada. Louvado seja. Bom feriado pra você também!

Beijo!

KAROL BRITO disse...

Eita meu Deus!!!! Imagine suas filhas (digo logo no plural pra você ter 2 ou 2, kkkkkk), um Pedro e um tio fulano na parada!!!! Tu ta lenhado meu amigo!!!! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Bjo Peu!!!!! Sempre maravilhoso ler seu Blog!!!!!

Paulinha disse...

Cunhetz, com certo atraso, estou aqui lendo seu blog (de tanto q luise e camila riem dele no meio do trabalho!).
Não preciso dizer que estou me divertindo horrores.
Lembre-se que sou (com orgulho) uma das criadoras do seu singelo apelido Pedrófilo (velhos tempos de Propeg, lembra???)
Quanto a suas filhas (vão ser várias meninas, não tenho dúvida), pode ficar relaxado que a tia playmobil se encarrega de levar elas pros ensaios da vida. Assim elas já aprendem aquele meu truque de nunca ser ludibriada por um marmanjo querendo te embebedar (é só aprender a beber bem o suficiente pra que ele fique bêbado primeiro...)
Não sei o que seria de vc sem amigas que nem eu!!!!!!! Beijão

vanessa disse...

a melhor parte: Para ela querer que eu descesse junto, devia ser para tentar evitar uma surra. Ou pra dividi-la comigo.
chorei de rir c essa historia

Anónimo disse...

pr checker seo company backlink service buy backlinks

Anónimo disse...

Thanks for creating this post. Discovered your site through another blog – highly informative and enjoyable. Payday Loan

Anónimo disse...

Wonderful post, very informative. I wonder why the other experts of this sector don’t notice this. You must continue your writing. I’m confident, you have a great readers’ base already! Payday Loans

Anónimo disse...

Hello presently there! We am so beholden all of us detected your internet site. We a contingency contend we located we by mistake, while all of us was acidity upon reddit for something diffrent. Anyway, i'm the following right right away and also would simply confirm to comprehend we to get a shining essay as well as a all change engaging weblog (i in addition adore a thesis and design). We would not have sufficient time for it to crop all of it during the notation however we've book mentioned it and also additionally combined as part of your rss bottles, so if we have time we will be behind in order to sense a lot more. Please carry out lift upon a good career. MO Bridgeton Payday Loans

Anónimo disse...

pedrovalente.blogspot.com Payday Lenders WI Wisconsin-Rapids Você deve diminuir seus gastos e aumentar os seus ganhos

Anónimo disse...

pedrovalente.blogspot.com you can check here Bill pensou que a noite de sexta talvez fosse , mas eu cuidadosamente mantido qualquer dica sobre esse assunto com ele

Anónimo disse...

pedrovalente.blogspot.com link Fora de casa o seu salário respectivo exame , colocar 10% para o pagamento da dívida

Anónimo disse...

pedrovalente.blogspot.com sneak a peek at this website No entanto, por vezes, o "pagamento " em si poderia ser um valioso não-caixa

Anónimo disse...

pedrovalente.blogspot.com try these guys Nós se hospedaram no interior conforto motel, usando o arranjo da cozinha até que eu o deixei

Anónimo disse...

www.pedrovalente.blogspot.com more helpful hints No entanto , as desvantagens de bancos são frequentemente encoberto , e deve notar-se para produzir uma decisão informada

Anónimo disse...

pedrovalente.blogspot.com important source Provedor Foca vendas futuras e em curso de Negócios

Anónimo disse...

Hello there! I simply wish to give you a huge thumbs up for your excellent information you've got right here on this post. I'll be coming back to your blog for more soon.

[url=http://onlinepokiesking4u.com]more information[/url]